domingo, 14 de agosto de 2016

Vinte anos após criação do Parque Arqueológico, o Côa precisa de um novo impulso


1/19. Dalila Correia no núcleo de gravuras da Canada do Inferno Paulo Pimenta

A arte paleolítica dispõe de um parque ao ar livre único no mundo e de um museu notável. Em 2015 recebeu mais de 40 mil visitantes. Mas o estrangulamento financeiro da Fundação Côa Parque, gerida por uma administração provisória, tem contribuído para dar da instituição uma imagem de abandono.

Dez horas da manhã da passada terça-feira, véspera do 20.º aniversário do Parque Arqueológico do Vale do Côa (PAVC), criado a 10 de Agosto de 1996. Já se faz sentir o calor, que mais tarde rondará os 40 graus, quando o Museu do Côa começa a receber os primeiros visitantes do dia, entre os quais um professor de História austríaco, Martin Sohler, e a respectiva mulher, que esperam a partida para uma visita pré-marcada ao núcleo de gravuras da Canada do Inferno.[...] PÚBLICO


Actualización: Vídeo. Museu e Parque Arqueológico do Côa recebem mais de 40 mil visitas por ano - Cultura - RTP Notícias