jueves, 20 de agosto de 2015

Nas antas do Alentejo já se falou alemão


12/12. Vera Leisner na Anta do Melriço, 1933-34. Cortesia: Arquivo Leisner

Georg e Vera Leisner começaram a vir a Portugal no final dos anos 1920 para estudar monumentos funerários com mais de seis mil anos. Em 1943 a guerra obrigou-os a ficar. O seu arquivo começa a estar acessível online e com ele ainda se pode aprender muito.

Chegaram em 1943 para uma das suas estadias habituais, mas a guerra impediu-os de regressar a Munique. Foi já em Portugal que souberam que a sua casa – e com ela um arquivo com milhares de notas, fotografias, desenhos e cadernos de campo – tinha sido destruída num bombardeamento. Os alemães Georg e Vera Leisner estavam acostumados a viagens e a cenários de conflito e, por isso, é provável que tenham encarado o imprevisto como uma oportunidade de aprofundar os seus estudos sobre o megalitismo na Península Ibérica. Não eram um casal comum. [...] PÚBLICO


Relacionado: DGPC | El Archivo Leisner